Bem Vindos

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Resumo do livro " Histórias tecidas em seda"

                     
Vou apresentar a você, leitores do meu Blog um resumo do livro lindo que é Histórias tecidas em seda., que são histórias e lendas contadas no Japão. Espero que gostem. Deixem seu comentário, e partilhem. Divulguem o meu Blog.

                       HISTÓRIAS TECIDAS EM SEDA
           AUTORA : LÚCIA HIRATSUKA
           LITERATURA INFANTO JUVENIL  
           CORTEZ EDITORA
           2007


                                     O PÁSSARO DO POENTE


         Em uma manhã de inverno com muita neve, Yosaku, um jovem camponês, saiu de sua casa admirando a paisagem branca das montanhas, das casas, das árvores, tudo branco.
Mais adiante, um movimento lhe chamou a atenção.
- O que será?- chegou mais perto , e percebeu que era uma cegonha, que foi atingida por uma flecha.Resultado de imagem para imagem do livro historias tecidas em seda
-Yosaku, de coração generoso, retirou-lhe a flecha e fez um curativo.
         Em pouco tempo a cegonha já estava recuperada e aos poucos ganhou confiança, e voou alto e foi embora, muito agradecida.
Dias depois ....
De noite, em sua cabana sentado em frente ao fogo, Yosaku, ouviu uma batida na porta e foi abrir.
Uma moça, de quimono branco, um manto vermelho e rosto bonito, estava lá.
-O meu nome é Otsû . Estava indo em uma outra aldeia e acabei me perdendo. Posso ficar aqui esta noite, por favor? 
- Claro. entre disse Yosaku, deve estar com muito frio.
No dia seguinte, Yosaku, acordou com um delicioso café da  manhã tradicional o "missoshiru".
O anfitrião, pediu que ela ficasse mais uns dias, até o tempo melhorar, para seguir sua viagem.
Ela aceitou.
Mas os dias passaram, a neve foi embora, mas ela não se foi.
Chegou a primavera, e acabaram casando-se.
Um dia para ajudar o marido, ela pediu que ele construísse uma peça na casa, para que ela pudesse fazer tecidos no tear.
Mas fez uma exigência. Que enquanto estivesse tecendo, ele de forma alguma entraria no quarto de tear.
Ele estranhou , mas concordou.
Três dias se passaram, e o tear parou e ela saiu de lá, com um tecido lindo.Resultado de imagem para imagem do livro historias tecidas em seda
E ele foi rapidamente a vila vender sua peça de tecido. Todos se admiravam com aquele lindo tecido, e um senhor de ricas vestes, comprou com muitas moedas de ouro o precioso tecido. E encomendou mais.
E assim foi feito. Ela teceu mais tecidos, mas sempre com a condição de o marido não a ver tecendo.
Um dia, enquanto ela tecia, ele resolveu espionar. 
-Como ela fazia tecidos tão lindos?
Uma olhadinha só...
Abriu devagar a porta...
Em frente ao tear, estava a cegonha que ele salvou com a flecha. Arrancava suas penas e tecia os lindos tecidos.
O homem fechou a porta com cuidado e continuou a ouvir o som. Como? Então quem fazia os tecidos era uma cegonha?
Logo que acabou de tecer, ela saiu do quarto e  estendeu o tecido, ainda mais lindo que o primeiro.
- Sou aquela cegonha que você salvou da morte e vim retribuir o que fez por mim.
Ela deixou sua obra e saiu. Lá fora o avermelhado abraçava as montanhas.
-Por favor , não vá, pediu Yosaku, correndo atrás de Otsû, que tornava sua forma verdadeira, mas ela foi embora, para atrás da montanha.

Fonte das magens: https://www.google.com/search?q=imagem+do+livro+historias+tecidas+em+seda&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ved=0ahUKEwiWwtb58r7aAhWFk5AKHSNyAzwQ7AkITQ&biw=1024&bih=612


quinta-feira, 5 de abril de 2018

LISTA DOS LIVROS MAIS VENDIDOS SEGUNDO A REVISTA VEJA

                        LISTA  DOS LIVROS
  MAIS VENDIDOS EM MARÇO DE 2018
                                 
                    REVISTA VEJA



                                    
                                        


                                                                           



                                  


Resumo do Livro " A natureza das coisas"

                                                                     RESUMO 
                                                    DE
                               A NATUREZA DAS COISAS

Resultado de imagem para imagem do livro a natureza das coisas adélia maria
        AUTORA: ADÉLIA MARIA WOELLNER
                                ANO : 2012


O avô sol, alegre, manda luz e calor para tudo aqui na terra.
Imagine se ele não existisse? Seria uma escuridão só, e tudo acabaria por causa do frio.
De noite, é a avó lua que surge. As vezes ela se esconde. Como a nossa mãe que, de repente, está em outro lugar, mas sabemos que ela está por perto.Resultado de imagem para imagem do livro a natureza das coisas
Há mudanças nas fases da lua: ela cresce, fica redonda, depois vai emagrecendo. Essas mudanças mexem com as águas do mar:  as marés que vão e vêm.
Observem as ondas do mar.
 Pelo barulho, pode parecer que estão brigando; mas não, essa é a natureza do mar.
Vamos pedir para o vento mexer com as águas? O vento vem e o mar se abre num rodamoinho. Em volta, as águas giram com força, mas no centro, tudo parece calmo.Resultado de imagem para imagem do livro a natureza das coisas
Esse vento forte, que fez o rodamoinho, algumas vezes faz com que as  árvores se dobrem, até quebrarem.
Essa é a natureza do vento.
Vamos passar sobre aquela ilha.
Olhe a terra. Há montanhas, grandes pastos.Resultado de imagem para imagem do livro a natureza das coisas
O homem está trabalhando na terra. Ele joga a semente, a terra engole e fica bem quietinha, para a semente poder dormir.
depois de algum tempo a semente nasce, acha tudo tão lindo, tão bonito e quer ver mais, até que um dia dá flores e frutos que se transformam em mais sementes.
Essa é a natureza da terra.
Lá numa casinha, tem uma chaminé, está saindo fumaça.
 No fogão, o fogo aceso, certamente porque estão fazendo comida.
e o fogo faz o que tem que fazer, porque é da natureza do fogo queimar o que precisa ser queimado e aquecer o que precisa ser aquecido.
Tudo é importante.
Ah! Nós também somos importantes

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Orientação Vocacional

  É com com grande alegria que venho divulgar em meu Blog o site do educaedubrasil.
Depois de um contato do pessoal do educaedubrasil, com meu Blog, parabenizando o blog por seu conteúdo, venho atender o pedido de divulgar esta matéria a respeito de Orientação Vocacional, o qual é de muita valia para todos nos dias de hoje, que procuram um direcionamento em suas carreiras. 
Espero que gostem da leitura!!!!!


                                        

                                     ORIENTAÇÃO VOCACIONAL

A Orientação vocacional geralmente é realizada por psicólogos, que através da pesquisa e análise de provas de interesses, aptidões e personalidade, apoia ao aluno no percurso acadêmico e profissional indicado, além de sugerir estratégias de autoconhecimento.
Mas qual é nossa vocação profissional? Este é um dos interrogantes que surge quando estamos por finalizar o ensino médio ou quando não começamos ainda uma formação de educação superior. Se não conhecemos nossa vocação, fica difícil saber qual caminho profissional devemos seguir.
Sem dúvida, encontrar áreas de estudo relacionadas aos nossos interesses, habilidades e aptidões não é tarefa fácil, especialmente se não foram exploradas 100% e algumas ainda não foram descobertas. Por isso é muito importante identificar os pontos que nos ajudam a tomar a decisão certa.


O que eu gosto de fazer?

Este primeiro ponto é primordial. Não devemos confundir nossos hobbies com nossas habilidades e destrezas. Muitos de nós gostamos de ver televisão, mas apesar disso, esta ação não está internamente relacionada com a nossa vocação, a não ser que alguns programas concretos sobre: animais, arte, esportes, moda, etc, nos agrade muito. Neste caso, podemos considerar isto como uma inclinação sobre o que nos chama a atenção para estudar, sem ser um fator determinante.
Devemos estabelecer em quais áreas nos destacamos e quais nos apaixonam. Por exemplo, se gostamos de matemática e consideramos que temos habilidades nas carreiras que as contêm, então será um ponto de partida para escolher uma formação relacionada com a mesma.


Que opções de estudo existem?

Atualmente a oferta educativa é tão ampla e variada. Podemos fazer infinitas pesquisas pela internet para desta maneira encontrar o que queremos estudar, desde uma carreira técnica ou tecnológica até uma carreira profissional. Quando estabelecemos a área de interesse, podemos nos enfocar em encontrar uma formação que se adapte ao que queremos fazer por muitos anos.
No mundo todo, diversas instituições educativas oferecem cursos que se adaptam as nossas necessidades e preferências, dando-nos um abanico de possibilidades nas quais teremos mais espaço para optar por um tipo de estudo de acordo às habilidades que possuímos. Alternativas como: flexibilidade horária, metodologia de estudo, modalidade, formas de pagamento e financiamento contribuem para reduzir o filtro e alcançar as respostas para nossas inquietudes.
Níveis de estudo na Educação Superior: 
  • Carreira de nível Técnico: É um estudo caracterizado por ser mais curto que uma carreira profissional (1 a 2 anos), de menor custo, conciso e de maior especificidade ao se aprofundar em áreas concretas, com um alto nível de prática. Se o estudo for realizado numa instituição reconhecida pelo Ministério de Educação, independentemente do país, se obtêm um título de Técnica/o.
    https://www.educaedu-brasil.com/curso-tecnico
  • Carreira Tecnológica: É similar à carreira técnica; duração intermedia de formação (2 a 3 anos). Diferencia-se da anterior por sua metodologia e processo de investigação; está pensada para sistematizar a experiência. O título recebido é o de Tecnóloga/o, sempre e quando se trate de uma instituição respaldada pelo Ministério de Educação do Brasil.
  • Carreira Profissional (Licenciatura ou Bacharelado): O tempo de duração é mais prolongado (4 a 5 anos, ou mais); o conhecimento é vasto, dá igual importância à parte teórica e prática. Abarca matérias intrínsecas à área de estudo e outras humanísticas, sem que estejam diretamente vinculadas com a temática da carreira. Os títulos recebidos em sua grande maioria dão a possibilidade ao aluno de seguir seus estudos em cursos de pós-graduação. https://www.educaedu-brasil.com/graduacao

 


Indagar, investigar, explorar.

É importante investigar muito além do nome do curso que queremos estudar. Como diz o ditado “a embalagem pode nos atrair mais que o conteúdo”. Ao escolher uma carreira, devemos considerar estes pontos:
  • Matérias
  • Duração
  • Campos de ação
  • Trajetória da instituição
  • Se a instituição e o curso são reconhecidos pelas autoridades de educação pertinentes
  • Convênios com outras instituições
  • Corpo docente
  • Comentários de alunos e graduados
  • Atividades extracurriculares

Buscar assessoria:

Ao concluir o ensino médio, não devemos nos precipitar em determinar o que vamos fazer a nível universitário sem antes pesquisar muito. Com o passar dos anos, uma decisão apressurada pode traduzir-se em frustração.
Por sorte existem diversas instituições que oferecem testes vocacionais aos seus alunos em potencial, geralmente são espaços acadêmicos, nos quais se busca reconhecer os talentos de cada pessoa, em áreas pontuais. Poderíamos pesquisar diretamente nas universidades onde gostaríamos de estudar, muitas delas oferecem este tipo de assessoria. Podemos também realizar oficinas ou programas curtos que estimulem nossa capacidade cognitiva na execução dos conteúdos que queremos abordar.
Não devemos deixar de lado os testes online gratuitos oferecidos na internet tanto por instituições de ensino quanto por páginas web independentes, tais como: guiadacarreira.com.br/teste-vocacional/, testevocacional.org, testevocacionalonline.com.br.
É aconselhável buscar orientações profissionais aprovadas por instituições de renome.


Quanto tempo quero dedicar a minha formação profissional?

Com certeza o tempo que queremos destinar a nossa preparação acadêmica vai ser um componente essencial na decisão que tomarmos. Como mencionávamos, o tempo de duração varia conforme os tipos de formação existentes: carreiras técnicas, carreiras tecnológicas, licenciaturas e bacharelados.
Devemos definir se estamos inclinados a gastar menos tempo estudando porque queremos nos enfocar principalmente em trabalhar ou em ter ma
A Orientação vocacional geralmente é realizada por psicólogos, que através da pesquisa e análise de provas de interesses, aptidões e personalidade, apoia ao aluno no percurso acadêmico e profissional indicado, além de sugerir estratégias de autoconhecimento.
Mas qual é nossa vocação profissional? Este é um dos interrogantes que surge quando estamos por finalizar o ensino médio ou quando não começamos ainda uma formação de educação superior. Se não conhecemos nossa vocação, fica difícil saber qual caminho profissional devemos seguir.
Sem dúvida, encontrar áreas de estudo relacionadas aos nossos interesses, habilidades e aptidões não é tarefa fácil, especialmente se não foram exploradas 100% e algumas ainda não foram descobertas. Por isso é muito importante identificar os pontos que nos ajudam a tomar a decisão certa.


O que eu gosto de fazer?

Este primeiro ponto é primordial. Não devemos confundir nossos hobbies com nossas habilidades e destrezas. Muitos de nós gostamos de ver televisão, mas apesar disso, esta ação não está internamente relacionada com a nossa vocação, a não ser que alguns programas concretos sobre: animais, arte, esportes, moda, etc, nos agrade muito. Neste caso, podemos considerar isto como uma inclinação sobre o que nos chama a atenção para estudar, sem ser um fator determinante.
Devemos estabelecer em quais áreas nos destacamos e quais nos apaixonam. Por exemplo, se gostamos de matemática e consideramos que temos habilidades nas carreiras que as contêm, então será um ponto de partida para escolher uma formação relacionada com a mesma.


Que opções de estudo existem?

Atualmente a oferta educativa é tão ampla e variada. Podemos fazer infinitas pesquisas pela internet para desta maneira encontrar o que queremos estudar, desde uma carreira técnica ou tecnológica até uma carreira profissional. Quando estabelecemos a área de interesse, podemos nos enfocar em encontrar uma formação que se adapte ao que queremos fazer por muitos anos.
No mundo todo, diversas instituições educativas oferecem cursos que se adaptam as nossas necessidades e preferências, dando-nos um abanico de possibilidades nas quais teremos mais espaço para optar por um tipo de estudo de acordo às habilidades que possuímos. Alternativas como: flexibilidade horária, metodologia de estudo, modalidade, formas de pagamento e financiamento contribuem para reduzir o filtro e alcançar as respostas para nossas inquietudes.
Níveis de estudo na Educação Superior: 
  • Carreira de nível Técnico: É um estudo caracterizado por ser mais curto que uma carreira profissional (1 a 2 anos), de menor custo, conciso e de maior especificidade ao se aprofundar em áreas concretas, com um alto nível de prática. Se o estudo for realizado numa instituição reconhecida pelo Ministério de Educação, independentemente do país, se obtêm um título de Técnica/o.
    https://www.educaedu-brasil.com/curso-tecnico
  • Carreira Tecnológica: É similar à carreira técnica; duração intermedia de formação (2 a 3 anos). Diferencia-se da anterior por sua metodologia e processo de investigação; está pensada para sistematizar a experiência. O título recebido é o de Tecnóloga/o, sempre e quando se trate de uma instituição respaldada pelo Ministério de Educação do Brasil.
  • Carreira Profissional (Licenciatura ou Bacharelado): O tempo de duração é mais prolongado (4 a 5 anos, ou mais); o conhecimento é vasto, dá igual importância à parte teórica e prática. Abarca matérias intrínsecas à área de estudo e outras humanísticas, sem que estejam diretamente vinculadas com a temática da carreira. Os títulos recebidos em sua grande maioria dão a possibilidade ao aluno de seguir seus estudos em cursos de pós-graduação. https://www.educaedu-brasil.com/graduacao

 


Indagar, investigar, explorar.

É importante investigar muito além do nome do curso que queremos estudar. Como diz o ditado “a embalagem pode nos atrair mais que o conteúdo”. Ao escolher uma carreira, devemos considerar estes pontos:
  • Matérias
  • Duração
  • Campos de ação
  • Trajetória da instituição
  • Se a instituição e o curso são reconhecidos pelas autoridades de educação pertinentes
  • Convênios com outras instituições
  • Corpo docente
  • Comentários de alunos e graduados
  • Atividades extracurriculares

Buscar assessoria:

Ao concluir o ensino médio, não devemos nos precipitar em determinar o que vamos fazer a nível universitário sem antes pesquisar muito. Com o passar dos anos, uma decisão apressurada pode traduzir-se em frustração.
Por sorte existem diversas instituições que oferecem testes vocacionais aos seus alunos em potencial, geralmente são espaços acadêmicos, nos quais se busca reconhecer os talentos de cada pessoa, em áreas pontuais. Poderíamos pesquisar diretamente nas universidades onde gostaríamos de estudar, muitas delas oferecem este tipo de assessoria. Podemos também realizar oficinas ou programas curtos que estimulem nossa capacidade cognitiva na execução dos conteúdos que queremos abordar.
Não devemos deixar de lado os testes online gratuitos oferecidos na internet tanto por instituições de ensino quanto por páginas web independentes, tais como: guiadacarreira.com.br/teste-vocacional/, testevocacional.org, testevocacionalonline.com.br.
É aconselhável buscar orientações profissionais aprovadas por instituições de renome.


Quanto tempo quero dedicar a minha formação profissional?

Com certeza o tempo que queremos destinar a nossa preparação acadêmica vai ser um componente essencial na decisão que tomarmos. Como mencionávamos, o tempo de duração varia conforme os tipos de formação existentes: carreiras técnicas, carreiras tecnológicas, licenciaturas e bacharelados.
Devemos definir se estamos inclinados a gastar menos tempo estudando porque queremos nos enfocar principalmente em trabalhar ou em ter mais tempo livre ou se pelo contrário, buscamos um estudo que contenha muitas horas de dedicação porque nos apaixona a aprendizagem que será adquirida durante esse período.
Nenhuma das duas escolhas está errada, ambas vão favorecer nosso desenvolvimento pessoal e profissional. Pessoal já que estaremos fazendo o que nos faz sentir bem de acordo com a nossa vontade. Profissional porque no futuro, o entorno laboral no qual vamos nos desempenhar, como vamos avançar nele e a autorrealização que vamos atingir, será o reflexo da nossa decisão e de como vamos afrontá-la no transcurso da vida.


Gostaria de me formar no que meus pais, familiares ou amigos estudaram.

Em algumas ocasiões, as profissões dos nossos pais, irmãos, núcleo familiar e amigos, influi no que pensamos que é nossa verdadeira vocação. Apesar disso, não é sempre assim.
Se partirmos do principio de que temos que seguir os passos dos demais por sua vida profissional exitosa, porque parecem pessoas apaixonadas pelo que fazem e satisfeitas com o trabalho que desempenham; deixando de lado nosso conhecimento, interesses, gostos, talentos, habilidades e aptidões, não estamos indo pelo caminho correto. Outro erro comum é optar por áreas que estão na moda, só porque são estudadas por famosos e porque são divulgadas em diversos meios de comunicação e redes sociais.
Apesar da assessoria brindada por pessoas do nosso entorno e próximas a ele sobre suas próprias experiências acadêmicas, ao longo de suas trajetórias profissionais, desde o que estudaram ou estudam até sua ocupação atual, ser um enorme marco de referência e guia para nós, esmo assim devemos investigar se o que para estas pessoas parece apaixonante ou as experiências negativas que tiveram são o espelho do que aconteceria com a gente se escolhêssemos a mesma profissão.
Investigar, indagar, averiguar, explorar é nossa maior tarefa.



O aspecto econômico me interessa mais que minha vocação
.

Se este é o caso, então estamos indo pelo caminho incorreto. É verdade, o aspecto econômico é uma variável que deve ser considerada, mas não é a mais importante. Se optarmos por uma profissão que por seu campo de ação traga altos ingressos, mas seu conteúdo não é interessante, e não se adapta aos nossos interesses, não estaremos tomando uma decisão acertada.
Existem profissões com menor saída laboral que outras, apesar disso e se consideramos nossas habilidades, é mais provável que no futuro conseguiremos tirar um grande da nossa escolha; estaremos agrupando o que somos, o que queremos ser e onde queremos chegar. Com a ampla oferta acadêmica atual, encontraremos carreiras com temáticas que se ajustam aos nossos desejos profissionais.
O Dr. Rick Sommer, diretor executivo dos programas acadêmicos da universidade de Stanford University dos Estados Unidos, manifestou que os estudantes que realmente buscam um desafio, conseguem desenvolver seus talentos ao máximo. Assim são as coisas, se nos desafiamos e encontramos uma formação da qual gostamos, conseguiremos alcançar mais facilmente nossas metas e objetivos.
Vale lembrar! A área e o nível de estudo que escolhermos vão refletir no crescimento e progresso que atingiremos ao longo da nossa trajetória profissional. A motivação para triunfar será o que nos apaixone, nos mobilize e impulse a ser melhores a cada dia,  e nos permita demonstrar em qualquer espaço, nossa capacidade de adaptação e compromisso em qualquer ocupação na qual nos dediquemos.

https://www.educaedu-brasil.com/blog/orientacao-vocacional/ 
is tempo livre ou se pelo contrário, buscamos um estudo que contenha muitas horas de dedicação porque nos apaixona a aprendizagem que será adquirida durante esse período.
Nenhuma das duas escolhas está errada, ambas vão favorecer nosso desenvolvimento pessoal e profissional. Pessoal já que estaremos fazendo o que nos faz sentir bem de acordo com a nossa vontade. Profissional porque no futuro, o entorno laboral no qual vamos nos desempenhar, como vamos avançar nele e a autorrealização que vamos atingir, será o reflexo da nossa decisão e de como vamos afrontá-la no transcurso da vida.


Gostaria de me formar no que meus pais, familiares ou amigos estudaram.

Em algumas ocasiões, as profissões dos nossos pais, irmãos, núcleo familiar e amigos, influi no que pensamos que é nossa verdadeira vocação. Apesar disso, não é sempre assim.
Se partirmos do principio de que temos que seguir os passos dos demais por sua vida profissional exitosa, porque parecem pessoas apaixonadas pelo que fazem e satisfeitas com o trabalho que desempenham; deixando de lado nosso conhecimento, interesses, gostos, talentos, habilidades e aptidões, não estamos indo pelo caminho correto. Outro erro comum é optar por áreas que estão na moda, só porque são estudadas por famosos e porque são divulgadas em diversos meios de comunicação e redes sociais.
Apesar da assessoria brindada por pessoas do nosso entorno e próximas a ele sobre suas próprias experiências acadêmicas, ao longo de suas trajetórias profissionais, desde o que estudaram ou estudam até sua ocupação atual, ser um enorme marco de referência e guia para nós, esmo assim devemos investigar se o que para estas pessoas parece apaixonante ou as experiências negativas que tiveram são o espelho do que aconteceria com a gente se escolhêssemos a mesma profissão.
Investigar, indagar, averiguar, explorar é nossa maior tarefa.



O aspecto econômico me interessa mais que minha vocação
.

Se este é o caso, então estamos indo pelo caminho incorreto. É verdade, o aspecto econômico é uma variável que deve ser considerada, mas não é a mais importante. Se optarmos por uma profissão que por seu campo de ação traga altos ingressos, mas seu conteúdo não é interessante, e não se adapta aos nossos interesses, não estaremos tomando uma decisão acertada.
Existem profissões com menor saída laboral que outras, apesar disso e se consideramos nossas habilidades, é mais provável que no futuro conseguiremos tirar um grande da nossa escolha; estaremos agrupando o que somos, o que queremos ser e onde queremos chegar. Com a ampla oferta acadêmica atual, encontraremos carreiras com temáticas que se ajustam aos nossos desejos profissionais.
O Dr. Rick Sommer, diretor executivo dos programas acadêmicos da universidade de Stanford University dos Estados Unidos, manifestou que os estudantes que realmente buscam um desafio, conseguem desenvolver seus talentos ao máximo. Assim são as coisas, se nos desafiamos e encontramos uma formação da qual gostamos, conseguiremos alcançar mais facilmente nossas metas e objetivos.
Vale lembrar! A área e o nível de estudo que escolhermos vão refletir no crescimento e progresso que atingiremos ao longo da nossa trajetória profissional. A motivação para triunfar será o que nos apaixone, nos mobilize e impulse a ser melhores a cada dia,  e nos permita demonstrar em qualquer espaço, nossa capacidade de adaptação e compromisso em qualquer ocupação na qual nos dediquemos.

https://www.educaedu-brasil.com/blog/orientacao-vocacional/ 

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Presente de natal



PANOS DE PRATO, UMA ÓTIMA OPÇÃO DE PRESENTE.
SÃO BARATOS, ÚTEIS E INDISPENSÁVEIS EM QUALQUER CASA.
ENCOMENDE O SEU.
VALOR 10,00 REAIS A UNIDADE, COM BARRADO DOS DOIS LADOS.
VALOR  8,00 REAIS A UNIDADE, COM BARRADO DE UM LADO SÓ.
PANOS DE NATAL, VALOR 12,00 REAIS A UNIDADE.















sexta-feira, 20 de outubro de 2017

   

APRENDA COMO FAZER UM BARRADO EM PANO DE PRATO

VIDEO - AULA


  

A origem dos sebos

                                               

                                     A Origem dos Sebos

Os sebos surgiram no século XVI, na Europa, quando os mercadores começaram a vender a pesquisadores papiros e documentos importantes da época.

Segundo o historiador Leonardo Dantas Silva, esses mascates eram chamados de alfarrabistas( alfarrábio significa livro velho e raro), nome que os acompanha até hoje em países como a França e Bélgica, onde essa atividade é considerada essencial para historiadores e pesquisadores em geral.

O nome sebo vem do tempo em que não havia energia elétrica e as pessoas liam à luz de velas amarelentas, sujando e engordurando os livros. O contato com as velas deixava o livro todo engordurado, ensebado, sebento, termo que evoluiu a sebo.

Os primeiros sebos no Brasil foram montados por intelectuais no Rio de Janeiro, no final do século XIX, e logo se espalharam pelo território nacional.

 

Uma outra versão foi defendida por Silveira Bueno (Grande Dicionário Etimológico Prosódico da Língua Portuguesa), que classifica: “Do particípio presente ‘sapiente’ se fizeram várias derivadas: ‘sabença’ (‘sapientia’), ‘sabente’ e desta forma ‘sabentar-se’ em espanhol, ‘asabentar’ em provençal, catalão, correspondendo ao italiano ‘insaventire’, tornar-se sábio, eruditar-se, instruir-se, donde o português arcaico ‘assabentar’, ‘sabentar’. Desta forma verbal saiu ‘sabenta’, a apostila, o conjunto de lições, explicações de aula. Houve assimilação de ‘a’ e ‘e’ (‘sebenta’) já sob a influência do adjetivo ‘sebento’, ‘sebenta’. Assim, ‘sebenta’ nada tem a ver com ‘sebenta’ de sebo, mas queria dizer: a obra, a coleção de notas de classe que tornava o estudante mais preparado, mais sábio.”
Já Eurico Brandão Jr. discorda quanto a relação entre “sebo” e o hábito da leitura à luz de velas. Segundo ele, isso se deve ao fato do livro ser manuseado constantemente, o que deixa os volumes engordurados, “ensebados”. Por essa razão, os proprietários de obras raras costumavam encaderná-los com revestimento de couro. O termo sebo tornou-se comum à partir da década de 60 e, ainda segundo Eurico, o primeiro livreiro no Brasil a usá-lo foi o seu pai, em Recife: Sebo Brandão. Por essa razão, os clientes estrangeiros que o procuravam, o chamavam de Mr. Sebo, pensando tratar-se de nome próprio…
Sobre o termo caga-sebos, Eurico esclarece que vem do nome de um pássaro comum em Pernambuco e cita em reforço, tanto o dicionário de Rodolfo Garcia, como o do Aurélio, que mencionam a palavra como sinônimo de “vendedor de livros usados”. Mas caga-sebos ou caga-sebista não têm sentido pejorativo.
Eurico também revelou que seu pai está escrevendo um livro autobiográfico onde aprofunda as pesquisas sobre a origem do termo, comprovando definitivamente suas teses sobre este tema.



                       O PAPEL DOS SEBOS NA SOCIEDADE 

As livrarias de sebos – ou alfarrabistas –, como se dizia tradicionalmente, cumprem vários papéis importantes para a indústria livreira. Ali podem ser encontrados não apenas livros usados que ainda estão no mercado – às vezes em edições mais antigas, inclusive com ortografia ultrapassada – como também exemplares de edições esgotadas e fora do mercado. Ao manterem à venda esses títulos, os sebos cumprem, em parte, um papel tradicionalmente reservado às bibliotecas públicas. A memória editorial do país, que não se sustenta no deficientíssimo sistema de bibliotecas que temos, faz dos sebos o depositário de títulos que, por uma ou outra razão, deixaram de ser publicados, mas que nem por isso são menos importante para a formação universitária, para pesquisas, etc.
Do ponto de vista social, esse é o papel mais importante dos sebos. Neles se produz uma espécie de reciclagem dos exemplares. O que não é mais interessante para alguém, pode ser o exemplar longamente procurado por outro leitor, que não o encontra nas bibliotecas.
 O mercado de livros raros é outro tradicionalmente ocupado pelos sebos. Colecionadores, bibliófilos, admiradores de edições antigas, todos encontra am nos sebos especializados uma fonte para satisfazer suas necessidades. Os sebos desscategoria dispõem inclusive de ligações internacionais, com sebos de vários países, e chegam a organizar leilões de obras especialmente raras e procuradas. As primeiras edições de livros de autores que se tornaram famosos, e que foram inicialmente publicados de forma precária, são alguns dos itens mais procurados em sebos.

Um dos sebos mais conhecidos é o seboPapirus .


 Fonte:

 


 

 

MEUS TRABALHOS DE ARTESANATO

BOA TARDE MEUS AMIGOS.

VENHO APRESENTAR ALGUNS DOS MEUS TRABALHOS DE ARTESANATO!

O ARTESANATO MANUAL, CADA DIA MAIS VEM CRESCENDO NO MUNDO TODO.

MUITAS PESSOAS VENDEM SUAS ARTES EM PROL DE UM RENDIMENTO EXTRA, E SEMPRE TEM SEU PÚBLICO PARA TODOS OS ARTISTAS.

E NESTE TEMPO DE CRISE EM QUE VIVEMOS, PODEMOS USAR O ARTESANATO PARA COMPLEMENTAR A RENDA TAMBÉM. FORA DIZER QUE O ARTESANATO, É MUITO LINDO, ORIGINAL, E EXCLUSIVO.

MUITO DIFÍCIL O ARTESÃO FAZER PEÇAS EM GRANDE QUANTIDADE PARA VENDA, FORA A REGRA, PEDIDOS ESPECIAIS.

ENTÃO, SE VOCÊ, PUDER COMPRAR DE UM ARTESÃO, VOCÊ ESTARÁ INCENTIVANDO, MAIS A ARTE NO MUNDO TODO.





























SE VOCÊ GOSTOU DE ALGUMA PEÇA, MANDE UM EMAIL PARA
mari36732013@gmail.com.
DIVULGUE MEU TRABALHO.

E SE VOCÊ QUER APRENDER A FAZER UM PANO DE PRATO SIMPLES, PRA PRERSENTEAR ALGUÉM, OU PARA VOCÊ MESMO, ACESSE O YOUTUBE E VEJA MEU CANAL .

  Mary Santos